Biomarcador ALK

A utilização de biomarcadores na Oncologia está crescendo a cada dia. Testes de imuno- histoquímica podem identificar anormalidades em determinados marcadores das células, indicando o aparecimento de um tumor e se este é maligno.1

Especificamente falando do biomarcador ALK, ele é uma ferramenta útil para o mapeamento do adenocarcinoma de pulmão e suas variantes. A identificação de um rearranjo no gene ALK acontece principalmente em pacientes jovens, não fumantes ou com baixa carga tabágica, por isso, é bastante utilizada na área de Pneumologia oncológica.

No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), o câncer de pulmão está entre os mais comuns. Em 2018, foram registrados mais de 31 mil novos casos, dos quais 80% eram de carcinomas pulmonares de células não pequenas, que podem apresentar alguns biomarcadores que possuem terapia específica.2

Com esses resultados, a equipe médica pode definir mais precisamente o tratamento dos pacientes.3 Isso acontece porque, ao conhecer o mecanismo de ação da célula cancerígena, é possível entender a resposta do tumor a um determinado medicamento.4

O exame de biomarcador ALK é realizado por biópsia, ou seja, análise de material celular por meio de retirada de uma parte do tecido.

Referências:
1. Capelozzi VL. Entendendo o papel de marcadores biológicos no câncer de pulmão. J Pneumologia. 2001;27(6):321-8.
2. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Estatísticas de câncer. 2020. Disponível em: https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer. Acessado em 25 de março de 2020.
3. Oliveira AC, Silva AV, Alves M et al. Molecular profile of non-small cell lung cancer in northeastern Brazil. J Bras Pneumol. 2019;45(3):e20180181.
4. Lopes C. Biomarcadores. Pathologika. Disponível em: https://pathologika.com/imuno-histoquimica/biomarcador/. Acessado em 25 de março de 2020.

Conheça o PD-Point